Steve Vai: Passion And Warfare Tour No Rio De Janeiro

Não seria difícil e ou fora de esquadro que adjetivos como musicalidade e complexidade se tornassem sinônimos de Steve Vai, visto que o guitarrista norte-americano é um dos poucos, quiçá, o único que consegue alinhar e edificar uma carreira de trinta e sete anos sob os dois citados predicados. E na noite de ontem (03), o público carioca pôde testemunhar mais uma apresentação do músico, onde, além dos citados atributos, o talento, carisma, técnica apurada e competência foram as palavras de ordem durante as quase duas horas e meia de show do guitar hero.

A viagem ao mundo encantado dos arpejos; sweeps; escalas maiores e menores; menor harmônica; tríades; tétrades; bends; vibratos; pull offs; hammer ons; harmônicos artificiais e naturais e, lógico, ao mote da atual turnê, a celebração dos vinte e cinco anos do clássico Passion and Warfare (Nota: O álbum completou, em 2017, vinte e sete anos de lançado, no entanto, o tema da turnê se ampara nos vinte e cinco anos de seu lançamento), começou no telão, posicionado atrás do preciso e competente baterista Jeremy Colson, onde um fragmento do filme Crossroads (1986), que tem o próprio Vai como uma das estrelas da obra, atiçou a memória emocional dos fãs que acompanham, passo a passo, a carreira do virtuose.

O hit Bad Horsie foi o responsável por dar o pontapé à noite memorável regida pelo suprassumo da carreira de Steve. As melodias de The Crying Machine são cantaroláveis e agradou facilmente o público que já estava sob o comando e batuta do regente Vai. A pegada hard rock de Gravity Storm colabora, e muito, para a dinâmica do show, garantindo com seu peculiar peso para o saldo para lá de positivo da noite. E por falar em dinâmica, as frases suaves e calmas de Whispering a Prayer parecem transportar os fãs a um estado contemplativo da vida, favorecendo sentimentos salutares como apreço, amizade e empatia.

Mesmo sem a necessidade de se expressar por meio das palavras, visto que o diálogo era conduzido pelas seis cordas, Steve fora simpático, extrovertido e cordial com o público, conversando e brincando com a grande legião de fãs que lotou as dependências do Imperator. O guitarrista é tão bacana que deixou um fã pedir, em cima do palco, sua namorada em casamento, e tendo, lógico, à benção e aconselhamento de Steve para que o casamento vingue. O telão, usado durante toda a apresentação, fosse para estampar a capa de determinado álbum ou imagens que remetessem às respectivas canções do repertório, ganhou, para a surpresa dos fãs, a interação com músicos consagrados como Joe Satriani, John Petrucci e Brian May, o que deixou o show com um quê ainda mais especial.

Segundo SV, era a primeira turnê em que ele executava o álbum Passion and Warfare na íntegra, já que nunca havia se sentido seguro e à vontade de interpretar tal material em absoluto, no passado. Bem, hoje, a banda de Vai, completada por Philip Bynoe (baixo); Dave Weiner (guitarra) e o já citado Jeremy Colson (bateria), é o sonho em termos de técnica e precisão, e proporcionou, sem sombra de dúvidas, a base perfeita para que o guitarrista brilhasse e executasse, de forma irrepreensível, o álbum.

Como comentado, Passion and Warfare fora executado na íntegra, ou seja, não faltaram sons como a melódica Liberty; as intricadas Erotic Nightmares e The Animal; a jazzy Answers; a singela Ballerina 12/24; a clássica e magistral For the Love of God; a lenta e pegajosa Sisters e as transloucadas Alien Water Kiss e Love Secrets. Se não fosse o bastante, o incansável guitarrista tirou do fundo do baú Stevie’s Spanking, que teve o saudoso Frank Zappa no telão interagindo com Vai e fechando a noite com Fire Garden Suite IV – Taurus Bulba.

Não à toa que Steve Vai é considerado um Deus da guitarra, já que sua musicalidade, timbre, técnica, bom gosto em escolher as notas certas e no momento certo e elegância são qualidades almejadas por muitos músicos, no entanto, conquistadas por poucos. Os fãs cariocas que se dispuseram a prestigiar o guitar hero em divulgação dos vinte e cinco anos do clássico Passion and Warfare testemunharam uma apresentação que figurará fácil, fácil, naquelas listas de debates, entre amigos, de quais os melhores shows já assistidos.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *