Paradise Lost: Medusa

A beleza das nuvens acinzentadas de um entardecer nublado encontra, facilmente, companhia em um gélido e soturno nevoeiro, e para tal ambiente uma trilha sonora obscura, contundente, cortante como o sopro de uma brisa fria e, lógico, elegante como os dias de frio se faz mais do que necessária e bem quista. E para alegria do público que pode extasiar-se no clima descrito acima o novo álbum de estúdio do Paradise Lost, Medusa, recai de forma sublime no playlist de todo e qualquer fã de doom/death metal.

A ambientação pintada anteriormente é hipotética, lógico, mas seria uma atmosfera espetacular para degustar Medusa, que tem lançamento nacional via Shinigami Records/Nuclear Blast. Todavia, esteja o ouvinte nos mais diferentes e variados climas e ambientes ao redor do globo, a audição do novo material do PL será prazerosa e satisfatória. O 15º registro de estúdio do grupo inglês coloca as garras para fora já nos primeiros acordes da opressiva e intensa Fearless Sky, deixando clara que a intenção da banda era resgatar o pujante doom metal praticado no idos de sua carreira.

Gods of Ancient não tem piedade dos ouvidos alheios e golpeia maravilhosamente o ouvinte com toneladas de riffs e linhas vocais poderosas. E por falar em vocal, Nick Holmes imprime versatilidade, indo do registro grave e limpo, característica do som gótico, ao mais soturno e apavorante urro do death metal como proposto na bela e viciante The Longest Winter.

Melodias singelas passam longe de From The Gallows, que imprime, sem parcimônia, peso e caos sonoro em seus quase quatro minutos de duração. A melancolia da faixa-título e Shrines rompem os falantes como os momentos mais calmos e serenos do álbum, o que diferente, e muito, da energética Blood And Chaos. Until The Grave é o toque de maldade e sarcasmo com seus versos nada delicados e prontos para instigar debates sobre a certeza da morte.

O já mencionado Nick Holmes; Greg Mackintosh (guitarra); Aaron Aedy (guitarra); Steve Edmondson (baixo) e Waltteri Väyrynen (bateria) conceberam em Medusa um dos mais importantes capítulos da carreira do Paradise Lost. Da capa, com a Górgona da mitologia grega, ao conteúdo lírico e musical, o álbum é convincente e mostra que criatividade e musicalidade ainda são peças decisivas para determinar o sucesso de um disco.

Track list de Medusa:

1. Fearless Sky
2. Gods Of Ancient
3. From The Gallows
4. The Longest Winter
5. Medusa
6. No Passage For The Dead
7. Blood And Chaos
8. Until The Grave
9. Shrines (Bonus Track)
10. Symbolic Virtue (Bonus Track)

Nota: 8

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *